21 de outubro de 2009

Em clássico eletrizante e com show de Pato, Milan surpreende Real em Madri

De volta ao estádio de onde saiu consagrado após uma vitória do Barcelona por 3 a 0 sobre o Real Madrid, em 2005, Ronaldinho Gaúcho mostrou que estava disposto a brilhar novamente.

Logo nos primeiros minutos, o camisa 80, vaiado pela torcida merengue a todo momento em que era acionado, tocou de letra e jogou a bola entre as pernas de Raúl, ídolo máximo do Real Madrid.

Bem postado na defesa e partindo para o ataque com eficiência nos pés de Seedorf e de Ronaldinho Gaúcho, o Milan não dava espaço para que seu ex-camisa 22, Kaká, brilhasse.

Em uma das poucas bobeiras do time italiano, Benzema fez boa jogada pela direita e foi derrubado na área por Zambrota, mas o árbitro nada marcou. Em seguida, o Milan respondeu com Seedorf, que cruzou na área e contou com o desvio de Albiol para quase surpreender Casillas.

Bem na partida, o Milan só não contava com uma falha bisonha de Dida. Aos 18 minutos, Granero chutou fraco e o goleiro brasileiro amorteceu a bola, que, porém, pegou no joelho do ex-corintiano e sobrou para Raúl apenas tocar para as redes.

O gol do Real desarticulou Milan e acabou com o ímpeto de Ronaldinho. Durante o restante do segundo tempo, a partida resumiu-se a bons passes de Diarra, que Benzema e Kaká não aproveitaram, e a um belo chute de Marcelo, desta vez defendido por Dida.

Na volta para o segundo tempo, Raúl assustou Dida logo no início. Kaká aproveitou o bom momento e quase marcou contra seu ex-time. O camisa 8 do Real invadiu a área pela esquerda e chutou para boa defesa do goleiro brasileiro.

Melhor no jogo, o Real Madrid se contentava em tocar a bola de lado e chegar sem muita convicção ao ataque. O Milan, por sua vez, parecia não ter poder de reação. Parecia.

Isso porque, aos 17 minutos, Pirlo soltou uma bomba da intermediária e empatou a partida. O gol animou o Milan, que quase ampliou em um chute de Zambrota.

Em seguida, Ambrosini lançou, Casillas, invejando Dida, saiu totalmente perdido do gol e Alexandre Pato apenas tocou para as redes, garantindo a virada do Milan.

Emoção

A partir daí, o Real Madrid passou a pressionar o Milan. E a atitude do time espanhol deu resultado aos 30 minutos. Em jogada ensaiada, Raúl cobrou escanteio para Drenthe, que dominou e, da entrada da área, bateu rasteiro para empatar a partida.

Neste momento, o jogo morno da primeira metade do segundo tempo daria lugar a um emocionante final de partida. Aos 39 minutos, Kaká chutou, Dida falhou novamente e Raúl marcou. Contudo, o árbitro assinalou impedimento.

Em seguida, aos 39 minutos, Casillas fez um milagre e jogou para escanteio um chute à queima-roupa de Alexandre Pato. Na sequência, Ronaldinho cobrou escanteio e Thiago Silva cabeceou para as redes, mas o árbitro anulou, gerando uma confusão que resultou com cartões amarelos para Raúl e Nesta.

Até que aos 43 minutos, Ronaldinho Gaúcho achou Seedorf pela esquerda. O holandês levantou a cabeça e deu um passa magistral para Pato, de primeira, fuzilar Casillas, decretando a festa do Milan.

Diante dos olhos de um apático Kaká, Ronaldinho Gaúcho foi substituído pro Flamini aos 46 minutos. Se não brilhou como em 2005, ao menos o camisa 80 do Milan pôde deixar o gramado do Santiago Bernabéu com o sorriso no rosto outra vez.


video

Nenhum comentário:

Postar um comentário